terça-feira, 17 de abril de 2012

Fidelidade à Igreja



Um amor incondicional à Igreja e fidelidade ao ministério petrino do Papa. Essas duas características do ministério episcopal de Dom Orani ficam evidentes a todos quantos dele se aproximam.
Em suas pregações e artigos não se cansa de afirmar que a Igreja está apoiada sobre a rocha, que é o próprio Cristo, e sobre a pedra, que é a fé do apóstolo Pedro e de seus sucessores, hoje o Papa Bento XVI.
" As portas do inferno , mesmo quando se manifestam com violência contra nós, não prevalecem. A promessa de Cristo é realizada em sua plenitude. A história de Pedro, no início fraco, arrogante e com medo, se tornou depois corajoso e sem medo de dizer a verdade e a morrer como testemunho da sua fidelidade a Cristo, se tornou substancialmente a história de nossa Igreja e de muitos cristãos", afirmou em seu artigo por ocasião da Solenidade de Pedro e Paulo.
Atento a tudo o que diz e fala o Papa, Dom Orani conduz o rebanho que Deus o confiou no seguimento seguro dos passos de Pedro. Foi com esse compromisso que em 2009- 2010 desenvolveu na arquidiocese as atividades do Ano Sacerdotal.
No momento em que o Papa vivia um tempo difícil de perseguição pela mídia e por alguns setores da sociedade, que colocavam sobre os seus ombros os pecados cometidos pelo clero em alguns países, convocou um ato de apoio, solidariedade e oração ao ministério de Bento XVI. Sob a sua presidência, no dia 16 de maio de 2010, na Igreja Nossa Senhora do Carmo da Antiga Sé, reuniu padres, religiosos e fiéis, membros de pastorais, movimentos, novas comunidades e associações.
Na ocasião, afirmou: "o Papa é, para nós, uma autoridade indiscutível, certa, segura, infalível. Queremos unir-nos visivelmente ao redor de Bento XVI, como filhos junto ao pai, desejosos de segui-lo, exprimindo afeto e gratidão pela sua paixão por Cristo e pela humanidade inteira."
É com esse mesmo espírito que Dom Orani agora conduz a Arquidiocese do Rio rumo ao Ano da Fé e à Jornada Mundial da Juventude Rio2013. Na Cidade Maravilhosa, o Papa poderá experimentar pessoalmente do amor e carinho dessa Igreja particular.


ANDRÉIA GRIPP

FOTO: ARQUIVO