segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

Trezena de São Sebastião abre Ano da Caridade

Cada vez mais, a Festa de São Sebastião ul­trapassa as comemo­rações do dia 20 de janeiro, dia do santo padroeiro da arquidiocese e da cidade do Rio de Janeiro. A imagem missionária de São Sebastião percorre toda a cidade e, du­rante 13 dias, momentos de fé, devoção e unidade marcam os corações das pessoas. A celebração também prepara os fiéis, indicando a motivação pastoral que seguirão no ano que se inicia. Com o tema “São Sebastião, discípulo do amor e da caridade”, a Trezena de 2014 abre as reflexões e ati­vidades do Ano da Caridade.
A escolha dos locais que devem receber as visitas da imagem missionária e do ar­cebispo do Rio, Dom Orani João Tempesta, junto de sua comitiva, seguem a motivação lançada pelo lema da festa e o tema da arquidiocese neste ano. Segundo monsenhor Joel Portella Amado, coordenador arquidiocesano de Pastoral, uma série de locais marcados por situações de aguda dor e sofrimento será contempla­da pela programação, como hospitais, centros socioe­ducativos, casas geriátricas, presídios, etc.
Como gesto concreto, já é uma tradição que nas grandes concentrações, como a Festa de São Sebastião e Corpus Christi, seja feita, além da atitude de oração, uma atitude muito fraterna e, ao mesmo tempo, religiosa, de lembrar­-se do irmão necessitado. No Rio de Janeiro, isso se concre­tiza pela coleta de alimentos. Esta coleta é sempre destinada à Cáritas Arquidiocesana, a qual, por sua vez, faz a distri­buição a diversos programas e projetos sociais acompa­nhados pela organização, especialmente em situações de profundo sofrimento. “Isso não vai mudar. Isso fica como um gesto concreto e próprio do carioca, que eleva a sua prece a Deus e faz sua parti­lha com o irmão necessitado”, explicou ele.
Além dos locais marcados pelo sofrimento, a comitiva visita também comunidades eclesiais, e a preferência sem­pre, neste período, são aquelas dedicadas a São Sebastião. Cada um dos sete vicariatos planejou quais igrejas seriam visitadas. “Não importa se é mat r iz paroquial, se é capela, se é reitoria. O que se quer é estar geograf icamente presente em toda a cida­de”, afirmou monsenhor Joel.

SÃO SEBASTIÃO E OS 450 ANOS DO RIO DE JANEIRO
Outro evento caracterís­tico das visitas missionárias vai acontecer no dia 10 de ja­neiro, quarto dia da Trezena: o chamado deslocamento ma­rítimo. No início da manhã, haverá deslocamento pela Baía de Guanabara, na região da Praia do Flamengo. Monsenhor Joel explicou que a passagem por essa região histórica chamará, também, a atenção para as celebrações dos 450 anos da cidade, que serão iniciadas em março. “A imagem vai per­correr aquela região para que possamos rezar e homenagear a todos aqueles que deram suas vidas para a criação desta cidade, como os portugueses, indígenas e franceses. E ao fazer isso, rezamos por aque­les que, ao longo destes 450 anos, deram a sua vida por esta cidade”.
Segundo ele, a história do Rio de Janeiro está muito ligada à religião e à devoção à São Sebastião, e é isso que, dentro das inúmeras celebra­ções dos 450 anos, a Igreja deseja destacar.

Quem foi São Sebastião?
Soldado do império romano no final do séc. 3 e início do séc. 4, Sebastião sofreu o martírio em Roma, em virtude da sua fidelidade a Cristo e à Igreja. Em 1565, foi escolhido como padro­eiro de nossa cidade, para cujos fiéis é modelo de fé, coragem, constância e disponibilidade. São Sebastião foi um grande missionário do seu tempo, le­vando o nome de Jesus a todos, fortalecendo os que estavam cansados e abatidos pela perse­guição religiosa daquela época.

Confira aqui a programação completa da peregrinação.
FABÍOLA GOULART

Foto: Guilherme Silva