segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Lançando as redes

O mês missionário foi marcado na Arqui­diocese do Rio de Ja­neiro com uma mis­são popular, realizada nos dias 26 e 27 de outubro, no território da Paróquia Sagrada Família, no bairro da Saúde.
A partir da proposta do Pla­no de Pastoral de Conjunto da arquidiocese, as visitas foram realizadas de casa em casa. O foco da missão foi o Morro da Providência, situado atrás da Central do Brasil, e considerado como tendo a comunidade mais antiga da cidade.
“Somos continuadores, en­quanto batizados, da missão que o Senhor confiou à Sua Igreja. Somos a extensão do braço, do olhar, do sorriso, da mão estendi­da do Cristo que vai ao encontro dos que necessitam de Seu amor, de Sua misericórdia”, destacou o seminarista Márcio Moura e Silva, do Seminário São José.

MISSÃO PERMANENTE
O anúncio do Evangelho foi feito por cerca de 300 missioná­rios, vindos de todas as partes da cidade. Eles puderam conhecer de perto a realidade da popula­ção, estimada em mais de 30 mil pessoas, que ainda vivem, apesar da pacificação desde 2010, ca­rentes de políticas públicas e de projetos de inserção social.
“Muitos não participam da vida da Igreja na comunidade paroquial porque ainda não fizeram nenhuma experiência de encontro com Cristo ou estão impossibilitados por causa de alguma enfermidade. Por isso a necessidade de ir ao encontro desses irmãos para que possam ter a oportunidade de serem ‘tocados por Deus’ e fazer a experiência de Seu amor”, disse Morgana Colombo, consagrada da Comunidade Mar a Dentro.
Elogiada pelos missionários, a organização esteve sob a di­reção do padre Luís Maurício Telles da Silva, que administra a paróquia desde fevereiro de 2012.
“Desde o inicio nos coloca­mos à disposição. Apesar das lutas e apelos, que são próprios de uma paróquia como a nossa, pela situação geográfica onde ela está, os paroquianos, e princi­palmente os jovens, assumiram a organização da missão. Em tudo, vemos explicitamente a gratuidade do amor de Deus”, destacou o pároco.

DIMENSÃO MISSIONÁRIA
O envio dos missionários foi feito no sábado, pelo bispo au­xiliar Dom Roque Costa Souza. No domingo, o arcebispo Dom Orani João Tempesta veio confir­mar e incentivar os missionários. Ele celebrou a Eucaristia e depois visitou a casa de Esmeralda Nas­cimento, rezando e abençoando os seus familiares.
“A sociedade tem tomado caminhos diferentes dos valores do Evangelho. Por isso, a necessi­dade de evangelizar, não apenas em momentos especiais, como é a missão popular, mas a cada dia, em todas as circunstâncias. Somos chamados, como povo de Deus, a compartilhar as ma­ravilhas que o Senhor tem feito em nossas vidas. Anunciar que o Senhor nos ama e quer salvar a todos”, pontuou o arcebispo.
Para contribuir na formação dos futuros presbíteros, o reitor do Seminário Bento XVI, da Diocese de Barra do Piraí e Volta Redonda (RJ), padre Leandro Nunes Teixeira esteve presente na missão acompanhado de seis seminaristas.
“O objetivo foi despertar nos seminaristas a importância da dimensão missionária e também uma oportunidade para pensar sobre a cultura do desperdício e do individualismo. Para sentir, no contato com os mais pobres, o clamor do povo. Tudo isso para que aprendam a ter um coração de pastor, e possam ir ao encon­tro das pessoas mais necessita­das”, explicou padre Leandro.

ATIVIDADES
Na programação dessa edi­ção, houve a exposição perma­nente do Santíssimo, caminhada missionária e Terço da Miseri­córdia. Um circo, montado na Capela do Livramento, realizou atividades para as crianças. Tam­bém houve uma convivência no sábado à noite, para os missio­nários que pernoitaram com famílias da comunidade.
Foi realizada ainda mais uma edição da Ação de Amor do Cristo Redentor, que ofereceu serviços nas áreas de cidadania, saúde e jurídica. A ação contou com parceria do Rotary, Lions, da Fundação Leão XIII e Associação Arquidiocesana dos Psicólogos Católicos.
“É muito importante que a evangelização atenda as pessoas na sua integralidade, não só no aspecto espiritual, mas que seja complementada com suas neces­sidades humanas e materiais”, explicou a gestora da ação, Silvia Gonzaga.
Texto e fotos: Carlos Moioli

moioli@arquidiocese.org.br