segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Semana Nacional da Vida

Foto: Divulgação/Portal Ecclesia
A Igreja no Rio convida a todos para participarem intensamente da Semana Nacional da Vida, de 1º a 7 de outubro, e do Dia do Nascituro, celebrado em 8 de outubro. Para refletir sobre o valor da vida, as paróquias e comunidades são cha­madas a realizar diversos eventos e a recolherem assinaturas para a aprovação do Estatuto do Nascituro.
Sobre a preservação da vida e de toda a humanidade, o bispo auxiliar Dom Antonio Augusto Dias Duar­te, que é presidente da Comissão Arquidiocesana de Promoção e Defesa da Vida, participou, recen­temente, do encontro promovido pelo Departamento Vida, Família e Juventude do Conselho Episcopal Latino-americano (Celam).
Segundo Dom Antonio, duran­te o encontro, realizado entre os dias 11 e 13 de setembro, estudou­-se com profundidade como tem sido a influência e o impacto da mudança de época verificável no mundo atual, caracterizado por um forte individualismo.
“Preservar a identidade e a mis­são do homem e da mulher unidos através do matrimônio natural, elevado à dignidade de sacramen­to por Jesus Cristo, é uma tarefa árdua e gigantesca, mas quan­do assumida com fé e com esperança pelos agentes da Pastoral Fa­miliar junto com seus pastores, servirá para construir a civilização do amor e a cultura da vida”, afirmou o bispo.
Dom Antonio des­tacou que a fidelidade conjugal, a paternidade/ maternidade, a educação dos filhos, nos valores humanos e religiosos, são sublimes. “A família, o casa­mento, o amor entre o homem e a mulher, os filhos continuam sendo objetivos realizadores da vocação original da humanidade”, ressaltou.
Ele afirmou que as “caricaturas” de família, o divórcio, a legaliza­ção de uniões ideologizadas, os atentados contra a vida humana em todas as idades, a coisificação do amor e tantas outras investidas egoístas contra o projeto divino de família tem como denominador comum uma só palavra: fracasso existencial.
“A Pastoral Familiar no Brasil e demais países latino-americanos e caribenhos não deseja, de forma al­guma, esse fracasso e essas mentiras. Quer que o sucesso e a realização do homem e da mulher tenham como denominador comum a família, mas a família construída sobre a rocha firme da vivência do amor incon­dicional, da entrega generosa às pessoas, do serviço desinteressado ao outro, da abertura e da acolhida alegre de uma nova vida, da educa­ção e da prática das virtudes pessoais e sociais cultivadas no solo fértil da solidariedade e da libertação de todo egocentrismo”, concluiu Dom Antonio.
O encontro também teve como objetivo preparar o I Congresso Latino-americano e Caribenho da Pastoral Familiar, que acontecerá no Panamá, entre os dias 4 e 9 de agosto de 2014. O lema será: “Minha família e eu serviremos ao senhor” (Js 24,15).

CLÁUDIA BRITO DE ALBUQUERQUE E SÁ
claudiabrito@testemunhodefe.com.br