segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Por uma educação de qualidade

Movidos pelo desejo de participar de modo mais orgânico da construção de uma educação de qualidade no Brasil, a Arquidiocese do Rio de Janeiro e o Regional Leste 1 da CNBB elaboraram uma Carta Aberta aos participantes da Conferência Estadual de Educação do Rio de Janeiro, a Conaerj. O evento acontecerá nos dias 27, 28 e 29 de setembro, no Colégio Pedro II, unidade São Cristóvão. A etapa estadual prepara os participantes para o encontro em âmbito nacional.
Da esq. para a dir., Sergio Maia, Ediléa Santos, Dom Nelson e Hélcio França
A carta redigida pela Pastoral da Educação explicita o posicionamento da Igreja sobre as várias questões envolvendo o tema. Ela contém os princípios que serão apresentados na etapa nacional da conferência, que será realizada em fevereiro de 2014, em Brasília.

FORMAÇÃO QUE VALORIZA A VIDA EM TODAS AS ETAPAS
Segundo o assessor da Pastoral da Educação e representante junto à Conae, indicado pela CNBB, professor Sérgio Maia, a carta (publicada em sua versão original na página 7) deverá receber contribuições vindas de vários segmentos da sociedade. Só depois disso se publicará um documento final, que será levado para a Conae.
No Rio de Janeiro, os princípios defendidos na Carta Aberta foram apresentados, no dia 19 de setembro, em evento realizado na Câmara Municipal para a comemoração do Dia Municipal da Mobilização Social.
“Também realizaremos um grande lançamento, com um seminário, uma reunião ou uma mesa-redonda, no dia 15 de outubro, Dia do Mestre. Será um debate acerca daquilo que estabelecemos, e estamos defendendo na carta para que até fevereiro ela esteja aperfeiçoada através de uma série de ações”, frisou o professor.
Dom Nelson Francelino Ferreira, bispo referencial da Pastoral da Educação no Regional Leste 1 e na Arquidiocese do Rio, falou sobre o conteúdo da carta:
“Defendemos uma educação pública, gratuita, laica, não ateia, inclusiva, de qualidade, democrática e socialmente referenciada. Outro ponto importante é o respeito ao pluralismo de ideias e concepções pedagógicas. Hoje, diante de várias palavras e pontos de vista, o respeito à diversidade tem que ser levado a sério, pois é marca da nossa gente, da nossa cultura.”
A questão do ensino religioso nas escolas também foi tema de debate nas reuniões. Dom Nelson defende que todas as religiões têm o direito de terem seus princípios sistematizados na educação dos filhos de seus fiéis. Para o bispo, a presença da Igreja na educação é importante especialmente para a educação integral e a valorização do ser humano em todas as etapas da vida.
Segundo Dom Nelson, o sistema educacional do país deve ser repensado como algo concreto, sempre chamando o governo na sua responsabilidade maior e lembrando a corresponsabilidade dos diversos entes federativos.
“Estamos num momento de greve. Isso denuncia as falhas do nosso sistema de educação. Sem sombra de dúvida é uma greve que gera prejuízos irreparáveis para nossas crianças e jovens. Uma boa educação, num estado que leva a sério a educação, passa pela valorização progressiva dos profissionais. Não dá pra pensar essa matriz sem essa bandeira”, finalizou.
JÉSSICA PINHEIRO
FOTO: DIVULGAÇÃO