sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Papa inaugura Polo de Atenção Integral à Saúde


Um dos legados sociais que a JMJ Rio2013 deixará para o Rio de Janeiro é o Polo de Atenção Integral à Saúde, o PAI, que funcionará no Hospital São Francisco, na Tijuca, dirigido pela Associação Lar São Fran­cisco na Providência de Deus. Inaugurado pelo Papa Francisco, no dia 24 de julho, o pólo, cari­nhosamente apelidado de PAI Francisco, receberá pacientes para tratamento psicológico em geral, especialmente para a dependência química.
Lágrimas de emoção surgiam no rosto dos pacientes, funcio­nários e profissionais da saúde ao verem o Sumo Pontífice. Na praça do hospital, ouviu teste­munhos de dois homens que foram dependentes químicos, hoje, recuperados com a ajuda de projetos sociais da Igreja. O Papa abraçou cada um.
Em seu discurso, ele se colo­cou ao lado dos que sofrem por consequência do uso de drogas, confortou a todos com suas palavras, e convido-os a serem protagonistas das próprias vidas.
“Você encontrará a mão estendida de quem quer lhe ajudar, mas ninguém pode fazer a subida no seu lugar. Vocês nunca estão sozinhos! A Igreja e muitas pessoas estão solidárias com vocês. Olhem para frente com confiança; a travessia é longa e cansativa, mas olhem para frente, existe um futuro certo, que se coloca numa pers­pectiva diferente relativamente às propostas ilusórias dos ído­los do mundo, mas que dá novo impulso e nova força à vida de todos os dias”, disse. E com­plementou: “Não deixem que lhes roubem a esperança! Mas digo também: Não roubemos a esperança, pelo contrário, tornemo-nos todos portadores de esperança”.
No ato da inauguração, dis­cursaram o arcebispo Dom Orani João Tempesta e o diretor da Associação Lar São Fran­cisco na Providência de Deus, Frei Francisco Bellotti. Entre os presentes, o cardeal Angelo Bagnasco, presidente da Confe­rência Episcopal Italiana (CEI), que colaborou na construção do polo, que terá inicialmente 40 leitos, mas espera-se dobrar sua capacidade até o fim do ano.
O coordenador do legado social da JMJ Rio2013, Cônego Manuel Manangão, falou so­bre a Rede de Tratamento da Dependência Química, projeto que foi pensado pelo Vicariato Episcopal para a Caridade So­cial para ser desenvolvido na Arquidiocese do Rio.
“As queridas e eficientes comunidades terapêuticas, que são muitas, terão como papel o acolhimento das pessoas que, para além do tratamento ofe­recido pelas duas unidades de saúde da rede, necessitam de maior tempo e de uma estrutura humana que lhes permitam re­descobrir sua dignidade huma­na, fortalecer sua autoestima e se verem como filhos e filhas de Deus”, explicou o cônego.
PROVIDÊNCIA DE DEUS
Jovens argentinos porta­dores de Síndrome de Down aguardavam do lado de fora do hospital para saudar o Papa quando foram vistos e convi­dados por um segurança da guarda vaticana para entrarem e cumprimentarem o Santo Padre. Eles o presentearam com uma relíquia de Santa Francisca Xavier Cabrini, a padroeira dos imigrantes.
“Esperávamos vê-lo lá fora, e cumprimentá-lo. Fomos pegos de surpresa, então não prepa­ramos nada”, contou Camila Médida, de 16 anos.
Já o jovem Taffarel de Oli­veira não conseguia conter sua alegria pelo aperto de mão que recebeu do Papa.
“Fiquei tão alegre! Pensei que fosse passar mal. Ainda bem que tem muitos médicos aqui”, brincou ele, que faz parte do projeto Doutores da Paz e do Bem, formado por jovens voluntários que, com diversas atividades, levam alegria aos pacientes do hospital.

Leia o discurso na íntegra: http://bit.ly/16JiYMH
NATHALIA CARDOSO
FOTOS: GUSTAVO DE OLIVEIRA