domingo, 4 de agosto de 2013

Entusiasmo pela fé

Foto: Gustavo de Oliveira
 “Hoje, vim para lhes confirmar nesta fé, a fé no Cristo vivo que mora dentro de vocês. Mas vim também para ser confirmado pelo entusiasmo da fé de vocês!”, afirmou o Papa Francisco na ce­rimônia de abertura da Jornada Mundial da Juventude Rio2013, na noite do dia 25 de julho, em Copacabana.
Logo no início de seu discurso, o Papa pediu que os cerca de um milhão de fiéis reunidos no local fizesse um minuto de silêncio para recordar e orar pelas con­sequências do trágico acidente na Guiana Francesa, que matou a jovem Sophie Morinière e que deixou outros jovens feridos.
Na cerimônia, que contou com a presença do arcebispo do Rio, Dom Orani João Tempes­ta, aconteceram apresentações artísticas, que demonstraram a diversidade cultural do Brasil. Após a saída do Papa, shows com cantores e bandas católicas bus­caram manter aceso o entusiasmo da juventude.

CORAÇÃO VIVO E JOVEM
“Nesta semana, o Rio se torna o centro da Igreja, o seu coração vivo e jovem, pois vocês responde­ram com generosidade e coragem ao convite que Jesus lhes fez de permanecerem com Ele, de serem seus amigos”, afirmou o Santo Padre, em sua saudação inicial.
No discurso, o Sumo Pontí­fice destacou a importância de “botar” fé, amor e esperança para que a vida tenha um sabor novo. De improviso, o Papa motivou os jovens a serem fortes.
“Por isso, hoje, lhes digo com força: “bote Cristo” na sua vida, e você encontrará um amigo em quem sempre confiar; “bote Cristo”, e você verá crescer as asas da esperança para percorrer com alegria o caminho do futuro; “bote Cristo”, e a sua vida ficará cheia do seu amor, será uma vida fecunda”, incentivou.


“O Papa chegou!”

Foto: Cláudia Brito
O Sumo Pontífice chegou, no final da tarde, ao Forte de Copacabana, de helicóptero, e seguiu de papamóvel pela Avenida Atlântica, onde uma multidão ansiosa o aguardava por todo o trajeto. A expectativa de receber um olhar, um sorriso ou aceno do Santo Padre fez fiéis de diferentes ida­des, raças e nações se colocarem desde cedo de prontidão à espera de um aviso: o Papa chegou!
Ao experimentar o momento único de ver, de perto ou de longe, o “Pai da Igreja” passar, os filhos eram revelados. Nessa hora, não importava o que estava escrito no crachá. De forma eufórica ou contida, todos, peregrinos, voluntários ou mi­litares, demonstraram o sentimento gerado pela força de uma presença que ilumina e traz paz, sorrisos e lágrimas.
“O Papa é o representante de Deus aqui na Terra para nós. Ele é a presença viva de Deus, então, essa emoção que a gente sente é porque é como se estivéssemos vendo Cristo face a face. É muito gratificante essa experiência”, afirmou Meires Lopes Skraba, que veio participar da JMJ com o marido Carlos Henrique Skraba e as duas filhas Amanda, de 9 anos, e Mariana, de 12 anos.
Segundo Meires, foi preciso vender muitos pastéis para conseguir sair da Paróquia de Santa Edwiges, da Comunidade de Santa Helena, em Curitiba (PR). “Trabalhamos bastante para realizar esse sonho”.
Quando perguntada sobre o que sentiu ao ver o Papa, Amanda respondeu, ainda emocionada: “alegria!” Sobre o que queria falar ao Santo Padre, Mariana afirmou: “eu gostaria de dizer que eu gos­to muito dele, porque ele ajuda muitas pessoas”.
Após ouvir o depoimento das filhas, Carlos se emocionou ao contar a sua experiência de fé, também herdada em família.
“Em 1980, a minha mãe, quando estava grá­vida de mim, foi ao encontro do Papa e conseguiu ficar bem perto dele. Hoje, eu também consegui ficar perto do Santo Padre. Pelo que o Papa Fran­cisco já tem feito pela Igreja, a expectativa em estar presente nesse momento histórico é ainda maior. O chefe da Igreja está a nossa frente com toda humildade, serenidade e carinho, com certe­za dando um novo rumo para a Igreja”, observou.

Leia o discurso: http://bit.ly/135JwG2

CLAUDIA BRITO DE ALBUQUERQUE E SÁ