quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Emoção e fé na oração do Ângelus


O menino Natan de Melo Brito Pires, de 9 anos, se emocionou e emocionou o Papa Fancisco e os seguranças, na manhã do dia 26 de julho. O Santo Padre se dirigia para o Palácio São Joaquim, na Glória, onde rezou o Ângelus. Natan se aproximou do papamóvel e abraçou Francisco. “Eu falei para ele que quero me tornar sacerdote, ministro de Cristo, e o Papa disse que irá rezar por mim, e ainda pediu que eu rezasse por ele”, contou o menino que mora em Cabo Frio. [Foto: Luca Zennaro]















Foto: Rádio Vaticano
O bairro da Glória não esquecerá a manhã do dia 26 de julho. Logo ao amanhecer, fiéis se colocaram à frente da sacada do Palácio São Joaquim, residência do ar­cebispo do Rio, para aguardar o Papa Francisco, que rezaria ali o Ângelus.
Ele chegou um pouco an­tes, de papamóvel, cumpri­mentando o povo, abenço­ando e beijando as crianças. Durante o trajeto, emocionou os fiéis e se emocionou com as demonstrações de acolhida e carinho. Foi o encontro de um pai com os seus filhos, marcado pela troca de olhares afetuosos, mãos que se toca­vam, e um pedido em comum: “reze por mim”. “Eu oro por ti e você ora por mim”, disse Francisco ao pequeno Natan, que subiu no papamóvel para cumprimentá-lo (fotos ao lado).
Na sacada do palácio, pro­feriu uma mensagem antes de rezar o Ângelus. No dia em que a Igreja celebrava os pais de Nossa Senhora: Sant’Ana e São Joaquim, o Papa falou da importância dos anciãos para uma sociedade, afirmando que eles são importantes para “comunicar o patrimônio de humanidade e de fé”.
Neste contexto, destacou a importância da família como lugar privilegiado, em que a fé é transmitida às novas ge­rações. “Como é importante o diálogo entre as gerações”, afirmou o Pontífice, convi­dando os jovens a saudarem seus avós. “Este diálogo entre as gerações é um tesouro que deve ser conservado e alimen­tado”, pontuou (veja abaixo o discurso completo). 

ANDRÉIA GRIPP