quarta-feira, 10 de julho de 2013

Auxílio aos dependentes químicos

Polo de Atenção Integral à Saúde Mental (PAI), no Hospital São Francisco de Assis na Providência de Deus, na Tijuca, pretende repetir o abraço de São Francisco de Assis aos excluídos

Fachada do Hospital São Francisco de Assis
na Providência de Deus (HSF), na Tijuca
Dar um tratamento digno a todos que sofrem de um transtorno psiquiátrico e re­cuperar os usuários de drogas, em especial o crack. Esses são os principais objetivos do Polo de Atenção Integral à Saúde Mental (PAI), que funcionará em um dos prédios do Hospi­tal São Francisco de Assis na Providência de Deus (HSF), na Tijuca, e será inaugurado em 24 de julho, durante a visita do Papa Francisco.
“Não existem palavras que possam mensurar a nossa ale­gria com a visita do Papa. Será um marco. É o próprio Deus dizendo que estamos no ca­minho certo, porque nosso ca­risma é repetir o abraço de São Francisco no leproso de hoje, e a lepra do século são as drogas”, afirmou o vice-diretor do HSF, frei Isaac Prudêncio.
O PAI é fruto de uma parce­ria entre a Arquidiocese do Rio e a Associação e Fraternidade Lar São Francisco de Assis na Providência de Deus, que há dois anos administra o HSF (antigo Hospital da Ordem Terceira/VOT).
“Nós nascemos há 28 anos dentro de uma casa de recupe­ração para dependentes quí­micos. Então, entregar para a cidade do Rio o PAI-HSF, que vai dar assistência no momento mais crítico do dependente, é a confirmação do nosso chama­do”, ressaltou frei Isaac.

AMPLO ATENDIMENTO
O PAI-HSF vai funcionar com um atendimento de emergência de até três dias, que poderá evo­luir para uma internação de até 30 dias. No complexo hospitalar, o paciente receberá suporte para o tratamento de outras doenças, além da dependência química.
Segundo o vigário episcopal para a Caridade Social, cônego Manuel Manangão, o hospital será a grande porta de avaliação da rede de atendimento que está sendo organizada com a parce­ria de diversas instituições. A assistência ao usuário de drogas acontecerá em etapas: preven­ção, acolhimento emergencial, tratamento e acompanhamento contínuo.
“O PAI tem a finalidade de acolher as pessoas principal­mente no momento da crise, que pode durar de 24 a 72 ho­ras, mas caso seja necessário, a pessoa poderá ficar um tempo maior e haverá a necessidade de fazer o tratamento de forma ampla”, afirmou o cônego.
Quando a pessoa sair poderá ser encaminhada para um lugar de apoio, como a Pastoral da So­briedade, Alcóolicos Anônimos (AA) e Narcóticos Anônimos (NA), ou alguma das comuni­dades terapêuticas que estarão integradas à rede. A prevenção acontecerá com o apoio das pastorais do Menor, da Família e da Juventude.

PRAÇA DO HOSPITAL VAI GANHAR O NOME DO PAPA
O Papa vai entrar no hos­pital de papamóvel e fará uma oração na capela central do HSF, junto com a fraternidade e com as irmãs que trabalham no hospital. Em seguida, o Santo Padre vai se dirigir para a praça em frente, onde está sendo erguido um monumento que ficará como um marco da passa­gem do Papa. O descerramento da placa de inauguração do polo acontecerá neste local, que passará a ser chamado de “Praça Papa Francisco”. Este momento contará com a presença de 300 recuperandos químicos, funcio­nários do hospital e convidados.
O prédio de quatro andares, que está sendo reformado, terá 70 leitos que deverão estar dis­poníveis até o final do ano. A partir de 25 de julho, dia seguin­te da visita do Papa, o térreo e o primeiro andar, com 48 leitos, estarão em funcionamento. Inicialmente, o atendimento será referenciado. Por meio de uma triagem, os pacientes serão encaminhados pelo SUS ou planos de saúde.

ORAÇÃO, TRABALHO E CONSCIENTIZAÇÃO
A Associação e Fraternidade Lar São Francisco de Assis na Providência de Deus, foi criada em 1985, na cidade de Jaci, in­terior de São Paulo. A entidade, que tem 28 anos de experiência em administrar instituições que auxiliam o tratamento da depen­dência química, conta com um PAI, quatro ambulatórios para dependentes de álcool e droga, e nove comunidades terapêuticas.
Em 2010, o primeiro PAI em Presidente Prudente (SP) se transformou em um modelo de atendimento.
A filosofia da instituição esta calcada no tripé: oração, trabalho e conscientização, e o processo de recuperação ocorre em três etapas: desintoxicação, conscientização e reintegração.
“O trabalho em conjunto é fundamental para um melhor resultado no tratamento”, in­centivou frei Francisco Belotti, superintendente da associação e idealizador do Polo.

CLÁUDIA BRITO DE ALBUQUERQUE E SÁ
COLABORAÇÃO: CAROLINA LAERT
FOTO: DIVULGAÇÃO