segunda-feira, 17 de junho de 2013

“JMJ será o maior evento mundial que o Rio receberá”

O secretário estadual de Turismo, Ronald Ázaro, destacou a importância do evento que fará a economia crescer e superará, em número de participantes, a Copa do Mundo e as Olimpíadas


Uma porta de entrada para o turista. Assim, o secretário de Turismo do Estado do Rio de Janeiro, Ronald Ázaro, definiu a Jornada Mundial da Juventude Rio2013. Afirmando estar im­pressionado com a quantidade de ônibus e peregrinos que virão dos países do Cone Sul para o evento, o secretário estima que haverá um grande lucro não só para a cidade mas também para o Estado do Rio.
“Receberemos milhões de pessoas que virão ao Brasil como peregrinas, mas é claro que tam­bém vão passear, vão conhecer as cidades e estados em que estão e voltarão ao país, com certeza, em outra oportunidade. São futuros turistas que irão tra­zer suas famílias para conhecer nossa cultura e adquirir nossos produtos. Esse entendimento está muito claro para a Secre­taria de Turismo e para o setor empresarial”, frisou o secretá­rio. Segundo ele, a economia continuará sendo impulsionada graças aos reflexos deste grande evento da Igreja Católica.
Para Aldo Gonçalves, pre­sidente do Clube de Diretores Lojistas e do Conselho Empre­sarial de Bens e Serviços da Associação Comercial do Rio de Janeiro, a expectativa do setor empresarial é de que durante a JMJ haja um crescimento, no mínimo, de 20% nas vendas, especialmente nos setores de alimentação, cultura, ar­tigos religiosos, cosméticos, modas praia e jovem.
“Embora o cenário econômico internacional e nacional não este­jam tão bons, o Rio viverá um bom momento. O astral do carioca está elevado”, explicou Aldo.
Também a economia informal crescerá nesse período. O comércio popular já se prepara e diversos produtos estão sendo vendidos pelos vendedores ambulantes.
Ronald Ázaro complementou: “estamos vivendo a década do Rio de Janeiro. De fato, este é um tempo especial. Trabalhamos muito para chegar a este momento, e o grande desafio para todos nós será a JMJ, pelo número de pessoas: é muito maior que uma Olimpíada, que uma Copa do Mundo”.
Otimista, o secretário vê a JMJ como um evento motivador do cres­cimento econômico do estado, o que justifica, em sua opinião, o investi­mento que os governos estadual e municipal têm feito na capacitação dos voluntários, especialmente dos que servirão nos postos de atendi­mento e orientação dos peregrinos.
“Acho que a grande surpresa que os peregrinos vão encontrar é a capacidade de bem receber do carioca: o afeto, o carinho, o que vai fazer com que eles queiram voltar em outras ocasiões. Por isso, estamos investindo em postos de informações volantes, que estarão no meio da multidão, para indicar ao peregrino a melhor forma de se locomover na cidade, bem como aquilo que ele pode conhecer, por exemplo, em paralelo às atividades do cronograma e calendário da JMJ”, pontuou Ronald.
E o impacto na cidade? Respon­dendo à grande preocupação dos cariocas acerca do impacto que a presença de mais de um milhão de peregrinos poderá trazer para a cidade do Rio, o secretário de turismo tranquilizou:
“A cidade não ficará engessa­da. Tudo foi bem planejado. O Rio de Janeiro tem a característica de poder se transformar em vários cenários. Por isso, distribuímos em toda a cidade do Rio, e em municí­pios vizinhos como Niterói, diversas atividades. Haverá, assim, melhor divisão dos peregrinos, que não ficarão concentrados no Centro e na Zona Sul da cidade apenas. Tudo isso nos trará tranquilidade e fará com que a mobilização humana não seja negativa, não haja tanto impac­to numa região somente”, previu.

FERIADOS
Seguindo a lógica da prefei­tura para os grandes eventos que a cidade do Rio sediará, como a Copa das Confedera­ções, a Copa do Mundo e as Olimpíadas, no dia 6 de junho, a Câmara de Vereadores apro­vou, por 33 votos a 5, os dias de feriado durante a JMJ.
Ficou determinado que, no dia 23 de julho, o feriado come­çará a partir das 16h.
Nos dias 25 e 26, quinta­-feira e sexta-feira, devido à presença do Papa Francisco na Praia de Copacabana, será integral.
Na segunda-feira após a Jornada, dia 29 de julho, será feriado até 12h, semelhante à Quarta-Feira de Cinzas. O objetivo é facilitar a saída dos ônibus de peregrinos da cidade.
Os feriados decretados pela Prefeitura do Rio favorecerão ainda mais os setores de co­mércio e turismo. Os serviços públicos essenciais funcionarão normalmente.

ANDRÉIA GRIPP E NATHALIA CARDOSO
FOTO: GUSTAVO DE OLIVEIRA