terça-feira, 7 de maio de 2013

Ceat para trabalhadores idosos


“Esse é o primeiro seminário, o Rio 2013; quem sabe teremos o São Paulo 2014. Nosso objetivo é andar por esse país, é ir até os trabalhadores em todo o Brasil. E, considerando a diversidade e rea­lidade do trabalho em cada local, poderemos levar a cada ano uma discussão que se torne centro de preocupação de todos os partici­pantes”, garantiu a presidente do Ceat, Jorgette Oliveira.
Ela explicou que o que mo­tivou a realização do encontro foi constatar que, em diversas áreas, existem mais vagas do que profissionais.
Cardeal Hummes ressaltou que existem milhões de pessoas que não conseguem entrar no mercado de trabalho, por falta de escolarização e de escolas técnicas.
“Isso faz com que o Brasil não consiga avançar. O que nós reivindicamos é um investimento maior em instituições de ensino profissionalizantes, porque as escolas não devem preparar as pessoas apenas para ir às univer­sidades. Nós sabemos que nem 30% dos jovens chegam ao ensino superior. Eles devem ter a oportu­nidade de ingressar no mercado por meio de escolas técnicas”, afirmou o fundador do Ceat.
No final da conferência de abertura, foi assinado um con­vênio para a criação de um Ceat para a pessoa idosa, que pretende proporcionar o reingresso do trabalhador aposentado no mer­cado de trabalho. O convênio foi assinado pelo arcebispo do Rio, pela presidente do Ceat e pelo presidente do Sindicato dos Aposentados, João Inocentine.
“Os aposentados ajudaram a construir esse país. Queremos resgatar nossa dignidade e po­der de compra, e viver o resto de nossos dias de cabeça erguida”, destacou Inocentine.

CLÁUDIA BRITO
FOTO: GUSTAVO DE OLIVEIRA