terça-feira, 2 de abril de 2013

Pastorais sociais e a esperança da ressurreição


Acabamos de viver a rica ex­periência do tempo quaresmal. E mergulhamos na riqueza do tempo pascal. As mulheres que vão ao túmulo ficam assustadas à vista de um “jovem trajado com uma veste branca”, que lhes anuncia: “Ressuscitou, não está aqui”.
Esta notícia desconcertante está destinada a mudar a sorte da história. E continua a reper­cutir de geração em geração: um anúncio antigo e sempre novo. Mais uma vez ressoará durante a vigília pascal, mãe de todas as vigílias, e vai-se difundindo por toda a Terra.
O sublime mistério dessa noite santa em que revivemos o extraordinário evento da ressur­reição! Na noite da ressurreição inicia-se tudo novamente desde o “princípio”; a criação recupera o seu autêntico significado no plano da salvação. É como um novo início da história e do cos­mo, porque Cristo ressuscitou dos mortos “como primícias dos que morreram” (1 Cor 15,20). Ele, “o último Adão”, tornou-se “espírito vivificante” (1 Cor 15,45).
Na noite santa nasce um povo novo, com o qual Deus estabelece uma eterna aliança no sangue do Verbo encarnado, crucificado e ressuscitado.
Também nós nos unimos a toda a Igreja para renovar as promessas do nosso Batismo. Renunciamos novamente a Sa­tanás e às suas obras, para aderir firmemente a Deus e ao seu pla­no de salvação. E assim, expri­mimos um compromisso mais decidido de vida evangélica.
Que o tempo quaresmal, vivido na intensidade da ora­ção, fortaleça nossa conversão e adesão ao Senhor Jesus. E que com imensa alegria e esperança possamos ter participado das celebrações pascais.
‘Ele, Jesus, que despertou tantas esperanças no cora­ção, especialmente das pesso­as humildes, simples, pobres, abandonadas, pessoas que não contam aos olhos do mundo. Soube compreender as misérias humanas, mostrou o rosto mise­ricordioso de Deus e inclinou-Se para curar o corpo e a alma.
Assim é Jesus. Assim é o seu coração, que nos vê a todos, que vê as nossas enfermidades, os nossos pecados. Grande é o amor de Jesus! E entra em Jerusalém assim com este amor que nos vê a todos. É um espectáculo lindo: cheio de luz – a luz do amor de Jesus, do amor do seu coração –, de alegria, de festa’ (Homilia de Ramos do Santo Padre Papa Francisco). Assim devemos ser todos nós, seus discípulos nos dias de hoje.
Que o amor do Senhor Res­suscitado nos torne homens e mulheres marcados pelo novo da ressurreição, e cada vez mais empenhados na construção de um mundo renovado na justiça e na paz.
Que a celebração da Páscoa do Senhor renove nos corações de todos nós a esperança de uma vida mais digna e que a caridade vivida por nós seja o sinal, para os mais sofridos, da presença viva do amor de nosso Deus. Possamos dizer juntos: Senhor Jesus, Redentor nosso, Luz do mundo, para a salvação da humanidade, somos teus servos, somos teus amigos! Nem sempre conseguimos enxergar a luz! Facilmente nos deixamos envolver pelas sombras da vida, caindo no desânimo, permitindo que a descrença tome conta de nós. Fica conosco, Senhor! Ensina­-nos a descobrir a luz, mesmo que distante e pequena, no primeiro momento. Ensina­-nos a valorizar a chama da fé, que, envolta em esperança, faz surgir a caridade, teu amor.

Côn. Manuel Manangão
Vigário Episcopal para a Caridade Social