quarta-feira, 10 de abril de 2013

A Eucaristia nos leva a servir os irmãos


O Tríduo Pascal na Arquidiocese do Rio foi iniciado com a celebração da Missa da Ceia do Senhor, presidida pelo arcebispo do Rio, Dom Orani João Tempesta, na Catedral de São Sebastião, no Centro, na tarde da Quinta-Feira Santa, dia 28 de março. Na ocasião, Dom Orani lavou os pés de 12 jovens, em sinal de serviço à evangelização da juventude, tendo em vista a Jornada Mundial da Juventude. “É uma missão nossa como Igreja passar às novas gerações o depósito da fé para que possam conhecê-lo e aprofundá-lo”, disse na homilia.

Queremos celebrar nossa libertação, nossa redenção, es­cutar o que o Senhor nos fala, nos alimentar do seu corpo e do seu sangue, e ficar cada vez mais transformados n’Ele, deixando que Ele renove as nossas vidas.
Somos chamados a trans­mitir o que recebemos, o que vivemos e o que celebramos. Mas o demônio age e atua justamente contra a Eucaristia.
Têm surgido grandes con­trovérsias e questionamentos sobre se podemos ou devemos celebrar com mais gestos, com menos gestos, com mais ou menos velas. Vários tipos de opiniões sobre a liturgia têm nos dividido, têm nos separado e nos colocado uns contra os outros muitas vezes, ao invés de procurarmos dar as mãos, vendo positivamente essa diversidade que existe dentro da Igreja em cada região, em cada cidade do mundo.
Devemos passar toda experi­ência de fé que é o centro de nos­sa vida, mas temos visto corroer essa comunhão e essa unidade em tantas situações que têm machucado aqueles que amam a Igreja e que querem o bem da missão evangelizadora.
Somos chamados nesse dia em que celebramos a instituição da Eucaristia, a dizer ao Senhor que a Eucaristia é um grande dom, um grande presente que nós recebemos. Somos cha­mados a viver, cada vez mais, essa comunhão que nos une, e, enfim, encontrar com Cristo que derramou seu sangue por nós, mas está ressuscitado e nos coloca em torno do altar para celebrarmos a Ceia Pascal, que atualiza o mistério da Cruz.
Celebrar a Eucaristia é nos colocar a serviço do outro. ‘Sa­beis o que eu vos fiz? Se eu vosso Mestre vos lavei os pés, muito mais vós deveis lavar os pés uns dos outros’. Nós ainda não compreendemos isso; vivemos muitas vezes querendo superar e ser mais que os outros.
Os problemas, as violências são em grande parte frutos das disputas, dentre elas a do poder. Esse é o problema do mundo de hoje: ninguém quer servir mais, não quer mais se colocar a serviço. O Senhor nos mostrou isso, na véspera de sua paixão, no momento sublime em que entregou sua vida por nós, nos deixando um memorial da sua presença na Eucaristia.
A Eucaristia bem vivida, bem celebrada é aquela que nos leva a servir os irmãos naquilo que a providência de Deus coloca na nossa frente, dentro de nossa arquidiocese, de nossa paró­quia, de nossa casa e de nosso trabalho, em um mundo onde as pessoas querem atingir cargos para serem servidos, para man­dar, para dominar. Infelizmente ainda temos, hoje, grupos que querem guerrilhar uns com os outros por questões pequenas.
Os cristãos são chamados a se colocar a serviço uns dos outros. Meus irmãos e irmãs, isso é consequência de uma boa celebração da Eucaristia. De poder fazer memória da pre­sença do Cristo crucificado, que deixou para nós seu corpo e seu sangue como alimento, que nos impulsiona a servir o próximo, sem ódios, sem amarguras, mas na alegria de quem serve com generosidade, de quem cultiva uma nova natureza dentro do seu coração.

DOM ORANI TEMPESTA
FOTO: GUSTAVO DE OLIVEIRA