sábado, 9 de fevereiro de 2013

50 anos a serviço da Igreja



Consagrar-se pela Igreja, imolando-se pela san­tificação dos sacerdo­tes por meio da oração, da intercessão e do serviço. Este é o chamado do Instituto Nossa Senhora do Bom Conselho, que, no dia 26 de janeiro, iniciou seus festejos do Jubileu de Ouro. Para festejar a data, uma missa foi celebrada na capela do Palácio São Joaquim, local onde nasceu a Congregação, presidida pelo ar­cebispo do Rio, Dom Orani João Tempesta, e concelebrada pelo bispo auxiliar da Arquidiocese do Rio Dom Roque Costa Souza, e pelo bispo auxiliar emérito Dom Karl Josef Romer.
Dom Orani destacou a im­portância da vida doada das religiosas do instituto pela san­tificação da Igreja e do clero, afir­mando que, assim como Nossa Senhora, a missão de intercessão e oração desempenhada por elas alimenta e potencializa a evan­gelização em toda a Igreja.
“Celebrar 50 anos é poder ver a ação de Deus na vida do instituto e descobrir como o Senhor leva à santidade as pes­soas que aceitam esse chamado. Percebemos isso vendo a ação do instituto, como esse carisma se insere dentro da missão de buscar servir à Igreja, imolar-se pelos s acerdotes, v iver e r ezar pela santificação dos sacerdotes, servindo nas várias situações que a providência coloca”, afirmou Dom Orani.
O arcebispo relembrou que a fundação do instituto se deu em meio ao Concílio Vaticano II, momento em que o Espírito Santo animava a Igreja para uma nova evangelização diante dos desafios dos séculos 20 e 21, re­lacionados às mudanças sociais, religiosas e culturais. “Esse mis­tério da ação do Espírito Santo, que suscita carismas que vão corresponder aquilo que diz os documentos conciliares, estava suscitando para que tivesse tam­bém esse carisma nascido aqui no Palácio São Joaquim, junta­mente com madre Bernadete e Dom Jaime de Barros Câmara”, disse.
HISTÓRICO
Fundado por Maria Madale­na de Figueiredo, ou irmã Maria Bernadete, no dia 31 de julho de 1963, desde o início contou com o apoio e orientação do Cardeal Dom Jaime de Barros Câmara, então arcebispo do Rio de Janei­ro. Posteriormente, a direção espiritual da congregação foi passada aos cuidados dos padres jesuítas, cuja espiritualidade centra-se no lema: “Em tudo, amar e servir, fazendo tudo para a maior glória de Deus”.

ROCÉLIA SANTOS
FOTO: CARLOS MOIOLI