terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Procissão de São Sebastião tem número recorde de fiéis



Foram cinco quilômetros de caminhada até a Catedral Metropolitana. O santo e mártir Sebastião, padroeiro da cidade e da Arquidiocese, teve companhia especial nas comemorações do seu dia. A tradicional procissão, que saiu da Paróquia São Sebastião, na Tijuca, às 16h do dia 20 de janeiro, contou com a presença, durante todo o percurso, das relíquias da Serva de Deus, Odette Vidal de Oliveira, a Odetinha.
Durante a procissão choveu, fez sol e o povo de Deus não desanimou. Cerca de 200 mil fiéis, segundo o Portal da Arquidiocese do Rio, acompanharam a imagem de São Sebastião durante a procissão, prestando homenagens, cantando e agradecendo pelas graças recebidas. Para demonstrar sua devoção, as pessoas usaram trajes vermelhos e as crianças foram vestidas como o santo mártir.
Muitos foram agradecer ou pedir graças. Pedro Paulo das Neves Lima, ao lado de seu neto de um ano, agradeceu pela saúde que Deus concedeu à criança por intercessão de São Sebastião.
“Minha filha estava grávida, e eu pedi ao santo que nada acontecesse a ela, que o parto fosse perfeito e que essa criança nascesse com muita paz, muita alegria e muita tranquilidade. E foi o presente que São Sebastião me deu. Meu neto está aqui, em seu primeiro ano de vida, acompanhando a procissão comigo. Eu sempre acompanhei, mas agora é especial. Eu estou pagando minha promessa”, contou.
Estiveram presentes na procissão bispos, sacerdotes, diáconos, seminaristas e religiosos. O prefeito da cidade, Eduardo Paes, também marcou presença, e disse que sempre na procissão de São Sebastião pede ao padroeiro bênçãos para a cidade.
“A história de São Sebastião tem muito a ver com a história do Rio de Janeiro, que é uma história de superação, de força, de luta, de fé. Eu sempre faço questão de acompanhar esta procissão. A graça especial que eu peço é a proteção da nossa cidade sempre e muita paz para o Rio”, pontuou.
Ao passar pelo Instituto Nacional do Câncer (Inca), na Praça Cruz Vermelha, Dom Orani abençoou o local, pedindo a Deus forças para as famílias dos que ali estão em tratamento.

BÊNÇÃOS
Em frente à Catedral Metropolitana, um helicóptero da Polícia Civil recepcionou os fiéis devotos com uma chuva de pétalas de rosas. Foi encenado o Auto de São Sebastião pela Associação Cultural da Arquidiocese, lembrando a todos a bela história do jovem mártir. O auto foi concluído com Dom Orani abençoando a cidade com a relíquia do padroeiro.
Na Catedral, o arcebispo celebrou missa em honra a São Sebastião. Ao final, foi feito o reconhecimento canônico das relíquias da jovem Odetinha pelos envolvidos em seu processo de beatificação. As relíquias foram transferidas à urna acrílica, que foi lacrada para ser transladada para a Basílica da Imaculada Conceição, em Botafogo, onde ficarão expostas para visitação.
“Nessa celebração de conclusão da Trezena, nós pedimos que continuemos a enxergar, a ver os sinais e pedir ao Senhor que estes sinais façam cada um de nós entregar sua vida e aprofundar-se na fé num mundo em transformação, que devido ao barulho que fazem, quem não crê, quem não busca Deus parece que é a maioria. Mas não é. Há no coração de cada um o clamor e a busca ao Senhor. E Ele vem ao nosso encontro, toma a iniciativa, e só espera que nós aceitemos e permaneçamos firmes na fé, como o fez São Sebastião”, ressaltou Dom Orani em sua homilia.

NATHALIA CARDOSO
FOTOS: GUSTAVO DE OLIVEIRA