segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Fé que liberta



“Assim como a chuva e a neve descem do céu e para lá não voltam mais, mas vêm irrigar, fecundar a terra e fazê-la germinar e dar semente para o plantio e para a alimentação, assim a palavra que sair de minha boca: não voltará para mim vazia; antes, realizará tudo que for de minha vontade e produzirá os efeitos que pretendi, ao enviá-la” (Is 55,10-11).
Confirmando esta Palavra, a cada ano, a experiência de fé gerada pela visita da imagem peregrina do padroeiro da cidade do Rio, por meio da direção do arcebispo Dom Orani João Tempesta, alcança horizontes ainda maiores. 
“Assim como Jesus quis se aproximar da humanidade pela sua vinda ao mundo, a Igreja também tem a missão de estar próxima ao povo de Deus. E tudo o que nós fazemos ao menor de nossos irmãos é a Jesus que nós fazemos”, reforçou Dom Orani, durante a celebração da Trezena realizada no dia 14 de janeiro, na Comunidade Terapêutica Santa Maria Madalena, em Bangu, administrada pela Comunidade Shalom.
Dom Orani destacou que a casa de recuperação tem o objetivo de oferecer uma nova oportunidade para aqueles que necessitam retornar para Deus, a fim de ter sobriedade, saúde e sentido de vida. “Diante da situação do mundo, o ser humano necessita viver melhor e ser feliz. Depois de ser enganado de diversas formas pela sociedade, como alguém que se afoga, ele pede ajuda. Na Igreja, encontra irmãos, a família de Deus, e por meio dos grupos e comunidades encontra uma mão estendida para se recuperar”, disse o arcebispo.
O investimento na recuperação de dependentes químicos, que será um dos legados da Jornada Mundial da Juventude Rio2013, é considerado um serviço essencial para a cidade, especialmente para resgatar os jovens do álcool e do crack. “Esse é um trabalho oportuno e é a vontade de Deus”, afirmou a responsável local pela comunidade no Rio, Roneide Santos.
No mesmo d ia, n o I nstituto Penal Plácido Sá Carvalho, do Complexo Penitenciário, em Bangu, a imagem foi levada aos detentos, que participaram de um momento de oração dirigido pelo arcebispo e pelo reitor do Santuário do Cristo Redentor, padre Omar Raposo.
O agente da Pastoral Carcerária, Paulo Cesar dos Santos, destacou a alegria de ver a mudança de vida dos detentos que acolhem a Cristo.
“A experiência que nós temos é muito gratificante. Nossa maioralegria é encontrar um detento e ver que ele mudou o rumo de sua vida”, partilhou Paulo, que participa dos encontros pastorais realizados às quintas-feiras, à tarde, no local.

TEXTO: CLÁUDIA BRITO
FOTO: GUSTAVO DE OLIVEIRA